terça-feira

Feliz Natal

Publicada por Ana Isabel Pedroso 11 comentários


O blogue Livros, o meu vicio deseja a todos um Feliz Natal

"O mistério das coisas erradas" de Fátima Marinho

Publicada por Ana Isabel Pedroso 0 comentários

Título: "O mistério das coisas erradas"

Autora: Fátima Marinho

Prefácio: Margarida Pinto Correia

Revisão: Fernando Dias Antunes

Ilustração: Bibiana Grave

Direitos autorais cedidos à Fundação do Gil.




Sinopse:
A crónica serve de âncora a relatos sobre a infância. Relatos fiéis cuja crueldade e, às vezes, a ternura ferem até as palavras. São memórias da infância captadas pela surpresa de quem guarda muitas crianças por dentro e à flor da pele. O quotidiano escolar serve de chão ao desafio de espreitar o mundo infinitamente sábio da meninice.




A minha opinião:

São livros como este, que fazem toda a diferença. Poderia dizer que é um livro pequeno, com apenas 138 páginas, mas é muito mais que isso. "O mistério das coisas erradas" é um livro poderoso. Um livro que nos mostra uma outra realidade vivida por tantas crianças por este mundo fora. Crianças portadoras de alguma deficiência ou de um ambiente familiar inadequado.

O amor tem destas coisas, tem o poder de fazer milagres e foi o que aconteceu a estas crianças, sentiram de alguma forma crianças normais.

Para Fátima Marinho estas crianças são a sua prioridade e por isso mesmo, ela dá a voz por elas.

Ninguém fica indiferente perante este livro. É preciso termos consciência que é necessário fazer mais e melhor pelas nossas crianças. Hoje são crianças, mas amanhã serão adultos.

Para mim, a mensagem deste livro encontra-se escrita na Introdução da autora, na página 27:
"São, se o leitor tiver a gentileza de comigo os considerar, contos de desassossego, para que não possamos andar completamente satisfeitos, enquanto, ao lado, a cem quilómetros ou noutro continente, há crianças que sofrem e lutam para sobreviver".

Obrigada Fátima.




Excerto:
Conto - Às vezes, a fraqueza cresce e fica forte

 "Foi encontrado pela polícia, que o pai chamou depois de esperar infindáveis horas com o olhar perdido na porta que servia a casa. Estava roxo e coberto de excrementos. Tolhido no medo que só noites de fome e abandono sabem escrever na pele...

... Foi de exaltação e júbilo o salto que deu, ao perceber que os seus traços eram semelhantes aos dos colegas, e que era capaz de reconhecer os sons com que se construíam as palavras. Aprendeu numa semana o que os colegas aprenderam num mês e destruiu assim a suspeita da sua incapacidade.

O Rui resistiu ao abandono da mãe, à fome, ao frio e à dor.

Resistiu também ao rótulo de deficiente que a bonomia e a pacatez, servindo hipoteticamente as melhores causas, alimentam. Conheci, por acaso, o milagre de resiliência operado pelo Rui e descobri que, às vezes, a fraqueza cresce e fica forte."



Outras Opiniões:
"Fátima Marinho junta-se à Fundação do Gil com "O mistério das coisas erradas", um mistério que também nos trespassa, um pressuposto igualmente comum na melhoria da vida de todas as crianças.


Sensibilidade e profundidade. A inspiração, bem como realidades menos felizes, são alguns dos ingredientes constantes na obra de Fátima Marinho. Aprendemos a olhar para o lado menos risonho, dando-nos conta da necessidade de reinventar apoios e atenção permanentes às crianças, para podermos um dia fazê-las olhar para o lado mais colorido da vida." - Fundação do Gil

"Fátima Marinho faz prova, uma vez mais, da sua intranquilidade e manifesta incapacidade de resignação face "às coisas erradas".

Esta obra marca mais uma etapa no percurso pessoal e profissional da autora, o qual se tem pautado pela defesa de valores, princípios e direitos.

Navegando num terreno de poesia, pretende agitar consciências para que o direito à infância seja uma realidade." - Filomena Pereira, Directora de Serviços da Educação Especial da Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular do Ministério da Educação

"O mistério das coisas erradas revela uma preocupação solidária com os direitos das crianças doentes ou sem meio familiar adequado que merece toda a nossa atenção. Escrito com rara sensibilidade por Fátima Marinho, alerta para a necessidade de medidas permanentemente de apoio à criança, nem sempre equacionadas entre nós como prioritárias". - Daniel Sampaio, Professor de Psiquiatria da Faculdade de Medicina de Lisboa

"Fátima Marinho em "O Mundo das Coisas Erradas" atira-nos para o regaço, literalmente, um mundo que não estamos habituados a afagar.

A dureza e o belo das experiências e das vidas que nos desvenda, sem falsas comiserações, sobressalta-nos, desperta-nos para uma realidade a que tantas vezes nos furtamos. O conforto do mundo das coisas certas entorpece-nos; o mergulho, que se aconselha, neste "Mundo das Coisas Erradas" tudo transforma e reveste de novos coloridos de humanidade.

Fátima Marinho revela-se, mais uma vez e sem surpresa para quem a conhece, com a grandeza de alma e avidez absoluta, quase obsessiva, por causas de paz e felicidade, para todos.

Assim aconteceu enquanto foi, simultaneamente, Professora dos seus meninos-mundo e Coordenadora da área bullying do Espaço "Convivência nas Escolas" na Associação Nacional de Professores. Um Espaço e uma voz tantas vezes incómodos, mas... a felicidade, a esperança e o acreditar num mundo melhor tudo suplantam." - João Henrique Grancho, Presidente da Associação Nacional de Professores

"O Mistério das Coisas Erradas" revela-se um livro verdadeiramente tocante. Faz ouvir tantas palavras caladas de meninos portadores de Trissomia 21, que muitas vezes não temos a nobreza e a capacidade de entender. Não é preciso um coração grande para o ler; basta entender as palavras delicadas que o narram e depositar no dia de amanhã a ajuda que outros precisam ao longo de uma vida. " - Bibiana Grave, Ilustradora do livro O Mistério das Coisas Erradas

segunda-feira

"O Menino e o Cavalo" de Rupert Isaacson

Publicada por Ana Isabel Pedroso 2 comentários

Título: O Menino e o Cavalo

Autor: Rupert Isaacson

Editora: Caderno

Colecção: Cadernos de sempre

Páginas: 464



Sinopse:
Rupert Isaacson tinha sonhado o melhor para o filho, imaginava as brincadeiras, as conversas, os passeios… Depois de Rowan nascer, porém, começou a perceber que o seu sonho nunca se iria realizar. O menino não falava, não reagia, refugiava-se no seu mundo, fechado numa concha invisível. Era autista.

Devastado, Rupert decidiu lutar contra as evidências. Tentou tudo para se aproximar de Rowan, todas as terapias e escolas especiais - mas em troca ouvia gritos, acalmava espasmo, convulsões. Até que um dia o filho fugiu-lhe das mãos e atirou-se para debaixo de um cavalo. Ao ver aquele menino deitado aos seus pés, o animal baixou a cabeça, em muda submissão. E Rowan, pela primeira vez, começou a falar.. O Menino e o Cavalo é a história real, extraordinária, de um pai que vai até aos confins do mundo para curar o filho. É a aventura de uma família única, que arrisca tudo, movida por uma fé inabalável. E que, nas distantes estepes da Mongólia, consegue finalmente o milagre de abrir a concha, e entrar no mundo misterioso de Rowan.



Sobre o autor:
Rupert Isaacson é britânico, mas vive no Texas, na companhia da mulher Kristin (professora catedrática de Psicologia) e do filho Rowan. Antigo treinador de cavalos, fundou e dirige uma ONG, a Indigenous Land Rights Fund. Como jornalista especializou-se em viagens, e fez reportagens por toda a África, Ásia e América do Norte. Os seus artigos foram publicados nos melhores jornais e revistas do mundo, como o Daily Telegraph e o Daily Mail, a Esquire, a National Geographic ou o Independent on Sunday. Em 2004 editou o seu primeiro livro, The Healing Land: A Kalahari Journey.


A minha opinião:
A capacidade de amar um filho, leva qualquer pai ou qualquer mãe a trilhar caminhos, nunca antes trilhados. Estes pais são o exemplo disso. Foram até ao fim do mundo em busca da cura do seu filho. Rowan tem cinco anos e é autista.

Confesso que sabia muito pouco acerca desta doença. Sabia, apenas que eram miúdos que não comunicavam com o exterior e pouco mais. Nenhum pai e nenhuma mãe está preparado para lidar com um filho autista.

Não podia ficar indiferente perante a leitura deste livro. O meu lado maternal era posto à prova a cada virar de página.
Uma das cenas que me emocionou foi o primeiro contacto que Rowan teve com a égua, a Betsy. A forma como Ruport descreve a cena é algo de muito extraordinário. Ao ler, não consegui  evitar as lágrimas que teimavam em saltar dos meus olhos.
Noutras situações, dou por mim a sorrir, perante os progressos de Rowan.

Quando Rupert  descreve a Reunião com as xamãs na montanha sagrada, na Mongólia...senti-me a fazer parte daquela experiência espiritual...senti-me transportada para outra dimensão.

Quando Charles Sidle, um curandeiro diz a Rupert que é o amor que cura. Perante esta afirmação, senti um arrepio percorrer-me a espinha. E é verdade, o amor tem um poder incrível.

O autor, além de contar a sua experiência e da sua mulher, Kristin, também  dá a conhecer um pouco da vida e da cultura das tribos nómadas que ele foi tendo contacto ao longo da sua vida.
Fiquei impressionada com estas culturas. Como é que é possível que estes povos através das suas danças e mesinhas, consigam curar qualquer mal.

Um livro muito enriquecedor.
Um livro que me agarrou pelos colarinhos...hihihi...não encontro melhor definição para descrever a maneira como fui sugada por esta história real.

Leitura Obrigatória!


(Obrigada bluepeace pelo BookRing)

"A Vida num Sopro" de José Rodrigues dos Santos

Publicada por Ana Isabel Pedroso 8 comentários

Título: A Vida Num Sopro

Autor: José Rodrigues dos Santos

Género: Um romance para compreender o Século XX português.
Um thriller histórico surpreendente.

Páginas: 616

Editora: Gradiva Publicações



Sinopse:
 Portugal, anos 30.
Salazar acabou de ascender ao poder e, com mão de ferro, vai impondo a ordem no país. Portugal muda de vida. As contas públicas são equilibradas, Beatriz Costa anima o Parque Mayer, a PVDE cala a oposição.

Luís é um estudante idealista que se cruza no liceu de Bragança com os olhos cor de mel de Amélia. O amor entre os dois vai, porém, ser duramente posto à prova por três acontecimentos que os ultrapassam: a oposição da mãe da rapariga, um assassinato inesperado e a guerra civil de Espanha.

Através da história de uma paixão que desafia os valores tradicionais do Portugal conservador, este fascinante romance transporta-nos ao fogo dos anos em que se forjou o Estado Novo.

Com A vida num sopro, José Rodrigues dos Santos traz o grande romance de volta às letras portuguesas.


Críticas de imprensa:
"Um estilo literário prodigiosamente poético e melódico" - Literaturzirkel Belletristik, Alemanha

"Com uma escrita clara e escorreita, mantém o leitor colado à história" - Corriere della Sera, Itália

"José Rodrigues dos Santos fascina e informa, ao mesmo tempo que entretém" - Shelf Awareness, Estados Unidos

"Para ler com prazer" - El Correo Gallego, Espanha

"Escrito com bom humor e uma erudição que resultam numa linguagem fluida" - Bravo, Brasil

"O português dos Santos escreveu de facto um grande romance" - Bild am Sonntag, Alemanha

"Um thriller histórico refrescante" - Kirkus Reviews, Estados Unidos

"Um romance misterioso e atraente" - Il Messagero di Roma, Itália


Sobre o autor:
José Rodrigues dos Santos nasceu em 1964 Moçambique. É sobretudo conhecido pelo seu trabalho como jornalista, carreira que abraçou em 1981, na Rádio Macau. Trabalhou na BBC, em Londres, de 1987 a 1990, e seguiu para a RTP, onde começou a apresentar o 24 horas. Em 1991 passou para a apresentação do Telejornal e tornou-se colaborador permanente da CNN entre 1993 e 2002.


Doutorado em Ciências da Comunicação, é professor da Universidade Nova de LIsboa e jornalista da RTP, tendo ocupado por duas vezes o cargo de Director de Informação. da televisão pública. É um dos mais premiados jornalistas portugueses, galardoado com dois prémios do Clube Português de Imprensa e três da CNN, entre outros.


A minha opinião:
Muito Bom! Um livro que se lê num sopro...hihi
Uma leitura muito interessante, onde o autor nos dá a conhecer expressões usadas na zona de Trás-Os-Montes e nos brinda com algum humor, por sinal, muito oportuno.

Este livro além de nos contar uma linda e arrebatadora história de amor, também nos faz lembrar um pouco da nossa História recente. A época da acção situa-se nos anos 30, quando Portugal era governado por Salazar. Era uma época muito difícil, onde a liberdade de expressão não existia. Quem não seguia os princípios da política Salazarista, tinha o governo à perna.
O autor também aborda no livro a guerra civil de Espanha, no tempo do Franco.

Este livro segue a linha do livro "A Filha do Capitão", do mesmo autor. Pelo meio ainda li "O Codex", mas confesso que achei muito aborrecido, talvez por ele abordar o tema da física e da química, que não são do meu agrado.

Este livro apesar de 609 páginas é um livro que se lê muito bem e depressa. A fluídez da escrita e o tema ajudam a que a leitura se faça de modo muito rápido e muito absorvente.

(Obrigada Anabela pelo empréstimo!)



 

domingo

Linhas e Pontos

Publicada por Ana Isabel Pedroso 3 comentários



Hoje, quis fazer mais uma divulgação. Divulgar outro blogue, onde se pode encontrar todo tipo de bijuteria, pulseiras, porta-chaves, ganchos, colares, anéis, enfim, coisas que nós mulheres adoramos!!!!!

Visitem o blogue ~Linhas e Pontos ~ e se quiserem adquirir alguma coisa, podem fazê-lo para
liliana.linhasepontos@gmail.com. Também podem visitar a páginas de Linhas e Pontos no Facebook.

OBRIGADA!

sexta-feira

Rita e Gena Presépios

Publicada por Ana Isabel Pedroso 3 comentários

“O Natal é quando o homem quiser”, disse o poeta Ary dos Santos, num momento de inspiração.

É um “chavão” e diz-se a torto e a direito, sem se pensar bem no que isso significa, mas Natal é:

Quando o homem quiser parar e reflectir,
Estender os braços e espalhar uma semente de amor.
Semear e colher os frutos com alegria.
Dizer não às guerras, à fome e ao poder.
Olhar para uma criança e sorrir.
Ser humilde e persistir em caminhar em linha recta...

As minhas amigas Rita e Gena adoram o Natal e tudo o que significa.

Daí, a sua paixão por Presépios, não apenas no Natal mas todo o ano.

Têm um blogue que não nasceu no Natal mas foi fruto de uma Amizade bonita e sincera.

Querem dar uma olhada aos seus lindos Presépios?

Espreitem aqui:

http://rigenatal.blogspot.com/

Se algum deles vos chamar a atenção (podem ser também um bonito presente de Natal), entrem em contacto com a Rita (camapejo@oniduo.pt) ou com a Gena (eugeniaponte@hotmail.com).

OBRIGADA!

quinta-feira

Fátima Marinho apresenta "O mistério das coisas erradas"

Publicada por Ana Isabel Pedroso 2 comentários

terça-feira

"Heróis à Moda de Lisboa" na TV Amadora

Publicada por Ana Isabel Pedroso 0 comentários
Quero agradecer em nome dos "Heróis à Moda de Lisboa"  à TV Amadora pela excelente reportagem do evento apresentado na Biblioteca Municipal da Amadora.
 

domingo

"Não Sei Nada Sobre o Amor" de Júlia Pinheiro

Publicada por Ana Isabel Pedroso 2 comentários

Título: Não Sei Nada sobre o Amor

Autora:  Júlia pinheiro

Páginas: 345

Editora: A Esfera dos Livros



Sinopse:
Quando desceu ao riacho, mantilha na cabeça e coração aos pulos, Maria da Glória não sonhava que aquele encontro fortuito com o macho da aldeia iria marcar para sempre a sua vida. Esperava sair dali com namoro anunciado e quem sabe até com casamento marcado. Saiu à pressa, com a roupa ensanguentada, as tripas viradas e a semente de Maria da Purificação na barriga. Estava lançado o destino das mulheres desta família na qual as palavras prazer, carinho, paixão e amor permanecerão para sempre um mistério.

A apresentadora de televisão Júlia Pinheiro estreia-se na escrita com uma história surpreendente e apaixonante sobre quatro mulheres que nada sabem sobre o amor. Ao longo destas páginas não suspiramos de amor, não nos empolgamos com casos de paixão arrebatadora, nem choramos com casamentos felizes. Somos levados numa saga familiar que se inicia nos anos 30 onde os sentimentos eram um infortúnio e o prazer uma pouca-vergonha.

Não Sei Nada sobre o Amor traça o retrato de uma sociedade e de um país ao longo de quase 70 anos de história, através do olhar de Maria Glória, a avó, Maria da Purificação, a filha divorciada, Ana Clara, a neta mãe solteira, e Benedita, a bisneta, que, apesar de todas as expectativas, não se casa com nenhum príncipe encantado.


Sobre a autora:
Júlia Pinheiro nasceu em Lisboa, a 6 de Outubro de 1962. É apresentadora de televisão.

Júlia Pinheiro licenciou-se em Línguas e Literaturas Modernas, pela Universidade Nova de Lisboa, e pós-graduou-se em Comunicação Social, na Universidade Católica Portuguesa. Estreou-se na televisão em 1981, como uma das apresentadoras de Estamos Nessa, na RTP. Em 1984 chegou à a Rádio Renascença, onde permaeceu até 1992. Vai para a SIC e apresenta Praça Pública, SIC 10 Horas , Noite da Má Lingua, Filhos da Nação, Mr World, SIC 11 Horas, Noites Marcianas e Às Duas por Três. Voltou à RTP para apresentar O Elo Mais Fraco, para exercer de seguida as funções de subdirectora de Programação da TVI, estação onde viria a apresentar um sem número de talk-shows e reality-shows, nomedamente Quinta das Celebridades, Primeira Companhia, Circo das Celebridades, O Meu Odioso e Inacreditável Noivo, Pedro, o Milionário, As Tardes da Júlia, Uma Canção Para Ti e Casa dos Segredos. Júlia Pinheiro lecciona no curso de pós-graduação em Televisão da Universidade Autónoma de Lisboa. Em Abril de 2009, lançou o seu primeiro romance, Não sei nada sobre o amor.

É casada com Rui Pêgo, mãe de três filhos e gostava de ter sido arqueóloga. Reside com a família na Margem Sul.


A minha opinião:
Não sou fã da Júlia Pinheiro, não sei se pelos programas que apresenta, mas não me convence. Já não tenho a mesma opinião acerca da sua escrita. Uma escrita nua e crúa. O primeiro contacto que tive com a sua escrita foi através da revista mensal Máxima. Uma escrita transparente e muito cativante. Cativante foi também a leitura deste livro.
A autora conta-nos uma história magnifíca sobre quatro mulheres da mesma família, mas de gerações diferentes. Não se perde em  descrições desnecessárias, nem utiliza os floreados habituais nos romances. Eu diria que este é um romance q.b.

Estas quatro mulheres nada sabem sobre o amor, mas a vida encarregou-se de lhes dar as armas necessárias para saberem lutar. São mulheres com uma fibra invejável.

Não vou desvendar mais nada sobre a história. A sinopse é uma janela aberta para o que iremos encontrar...

Pelo que sei a Júlia Pinheiro já tem novo livro nas prateleiras das livrarias e eu vou querer lê-lo!

Leitura recomendada!!!


(Obrigada Betita pelo excelente empréstimo!)

sexta-feira

Uma boa sugestão de Natal...

Publicada por Ana Isabel Pedroso 2 comentários


Uma oferta da editora:

Lugar da Palavra

Já faltou mais... queremos inundar este país de Heróis.
Muitos milhares de casas, em Portugal, (sor)riem com os livros da colecção "Heróis à Moda de"e, ao mesmo tempo, partilham connosco a riqueza do património linguístico português.
Por isso, que tal oferecer Heróis neste Natal?...
Como o tempo (dizem e parece que sim) é de crise, é de aproveitar a promoção:
mais de 20% em cada título não é de desprezar.

Ou então, que tal oferecer um pack com os três exemplares (Porto, Alentejo e Lisboa), já embrulhadinho e tudo, prontinho a oferecer?
Então, é assim, até 15 de Dezembro:
Heróis à Moda do Porto: 6,36€ (com iva incluído)
Heróis à moda do Alentejo: 9,54€ (com iva incluído)
Heróis à Moda de Lisboa: 11,66€ (com iva incluído)
Com portes incluídos, desde que pagamento efectuado por transferência bancária.

Contactar a editora:
editora@lugardapalavra.pt

- Só até 15 de Dezembro!

quinta-feira

Biblioteca Municipal da Amadora apresenta os "Heróis à Moda de Lisboa"

Publicada por Ana Isabel Pedroso 0 comentários

O Presidente da Câmara Municipal da Amadora tem a honra de convidar V.Exas. para a Sessão de Lançamento do livro "Heróis à moda de Lisboa", a ter lugar no Auditório da Biblioteca Municipal Fernando Piteira Santos, dia 27 de Novembro, às 16 horas.

Avª Conde Castro Guimarães, 6 - Reboleira
Tel.: 214 369 054

terça-feira

Divulgação do livro "Loucura Azul" de Paulo Alexandre E Castro

Publicada por Ana Isabel Pedroso 0 comentários

Sinopse:
O que podem ter em comum um jovem pintor, um agente secreto da ex-URSS, uma professora universitária e dois agentes do SIS?  A resposta a esta e outras questões reside na fantástica vida azul de Maurizio.

Maurizio Biancusi é um jovem pintor que volta à faculdade. Conhece Sylviane Rochas professora universitária dada a práticas pouco convencionais. Envolvem-se apaixonadamente, levando Maurizio a viver uma nova e intensa vida.

Tudo se complica quando conhecem Vlamidir Gordchenko, um suposto escritor russo, que os levará em desespero a cometer um crime. Ao mesmo tempo, Maurizio e Sylviane são seguidos por dois agentes do SIS, Beno e Guido, que desconfiam da troca de mensagens operada nas obras de arte de Maurizio. São eles que o vão acompanhar sempre, mesmo quando Maurizio constata que afinal Sylviane nunca existiu…

Paixão, sedução, assassínio e mistério são alguns dos ingredientes que fazem de Loucura Azul um livro original, apaixonante e intenso.




Sobre o autor:
Membro do Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa e da Sociedade Portuguesa de Ciências Cognitivas, tem o «Curso de Doutoramento em Estudos Filosóficos» e o »Curso de Ciências da Linguagem e Comunicação» (FCSH-UNL), Mestrado em «Fenomenologia e Hermenêutica» (FLUL) e Licenciatura em «Filosofia» (FLUL).

Autor da peça de tearto Aqui entre nós (2010), dos livros de poesia Gramática do @mor Tecnológico (2009), Toda a poesia nua/ Coisas da morte (bilingue 2008), do livro de ensaio Metafísica da Imaginação (2006), para além de ser o co-autor em diversas obras como o livro Porquê Deus se temos a Ciência?,  publicado nesta editora (Fronteira do Caos Editores).

http://www.pauloalexandreecastro.webs.com/


video



segunda-feira

"20 Mulheres para o Século XX" de Inês Pedrosa

Publicada por Ana Isabel Pedroso 0 comentários


Título: 20 Mulheres Para o Século XX

Autora: Inês Pedrosa

Páginas: 288

Editora: Dom Quixote



Sinopse:
O século XX marcou a entrada das mulheres na História e pôs fim à crença segundo a qual as mulheres "eram aquela metade de uma espécie de mamíferos que se destina aos nascimentos". Ainda estamos a sentir o impacto desta mudança profunda, que abriu às mulheres o mundo do trabalho e do poder, aos o mundo dos afectos, e a ambos a nova aventura da intimidade. Foram felizmente muito mais de vinte mulheres que marcaram o mundo neste primeiro século de emancipação. Muitas outras podiam ter cabido neste número redondo, que serve apenas como marco dos dezanove anteriores séculos de silêncio.

Sophia de Mello Breyner Andersen / Hanna Arendt / Simone de Beauvoir / Agustina Bessa-Luís / Coco Chanel / Agatha Christie / Marie Curie / Bette Davis / Isadora Duncan / Frida Kahlo / Carson McCullers / Golda Meir / Marilyn Monroe / Eva Peròn / Maria João Pires / Paula Rego / Amália Rodrigues / Lou Andreas Salomé / Madre Teresa / Virginia Woolf.


Sobre a autora:
Inês Pedrosa (n. 1962) é licenciada em Comunicação Social pela Universidade Nova de Lisboa. Trabalhou em vários jornais ("O Jornal", "JL", "O Independente", "Expresso") e revistas ("Marie Claire", de que foi directora durante 3 anos e "Ler"). O seu primeiro romance, "A Instrução dos Amantes", foi publicado em 1992, e nele traçava as estratégias da vida adulta sobre um microcosmos de adolescentes suburbanos. Cinco anos mais tarde surgiu "Nas Tuas Mãos", onde a autora nos leva a imaginar o Portugal das últimas décadas, através das emoções das três protagonistas, três mulheres (avó, mãe e filha) que cruzam destinos e memórias que atravessam o século XX.

Publicou ainda uma magnífica "Fotobiografia de Cardoso Pires", e os livros "20 Mulheres para o Século XX" e "Poemas de Amor (antologia de poesia portuguesa)", que seleccionou, organizou e prefaciou, ambos editados por Publicações D. Quixote. Prepara um novo romance, que sairá ainda este ano.


A minha opinião:
Um livro magnífico!

É o primeiro livro que leio da Inês Pedrosa. Gostei da escrita da autora, clara, leve e muito interessante.

Uma leitura muito educativa, pois dá-nos a conhecer a vida de vinte mulheres que mudaram a forma de ver e de estar das mulheres da altura e estamos a falar nos anos 30 e 40. Estas mulheres que viveram à frente no seu tempo.
Nesta altura, as mulheres eram vistas unicamente para serem simples donas de casa e mães de familía, ou seja, uma vida muito limitada.

(Biblioteca do Cacém)

sábado

Duelo entre os "Heróis à Moda de Lisboa" e os "Heróis à Moda do Alentejo"

Publicada por Ana Isabel Pedroso 0 comentários

Hoje no Fórum Almada às 16 horas, o duelo entre os "Heróis à Moda de Lisboa" e os "Heróis à Moda do Alentejo".

Contamos com a vossa presença!!!

sexta-feira

Apresentação dos "Heróis à Moda de Lisboa" na Almedina (Atrium do Saldanha)

Publicada por Ana Isabel Pedroso 0 comentários

Hoje, dia 19 de Novembro pelas 18:30 na Almedina (Atrium do Saldanha) mais uma apresentação este divertissímo livro. Na mesa estará a Filipa Pedroso, João Castela Cravo e João Pedro Teixeira. Também poderá entrar entre o público mais alguns dos autores, como a Maria Eugénia Ponte e a Rita Capristano.

Gostaríamos de contar com a vossa presença!!

quinta-feira

Apresentação d' "O Escolhido" na Fnac do Chiado

Publicada por Ana Isabel Pedroso 0 comentários


Dia 20 de Novembro, no próximo sábado, Samuel Pimenta estará na Fnac do Chiado, em Lisboa, pelas 17h, para mais uma apresentação d' "O Escolhido". O autor terá todo o prazer em partilhar esta apresentação com os leitores.

Contamos convosco!!!

Apresentação a cargo de:
Sofia Teixeira, do blog http://branmorrighan.blogspot.com/

terça-feira

"Heróis à Moda de Lisboa" de Vários Autores

Publicada por Ana Isabel Pedroso 2 comentários

Título: Heróis à Moda de Lisboa

Autores: Vários

Páginas: 224

Editora: Lugar da Palavra

Sinopse:
Inclui Dicionário Alfacinha da gíria e do calão de Lisboa Chala-te, a Jota tá aí a batê-las... Vai cair o Carmo e a Trindade! Já cá canta um parro e um arquilho. Mexe os calcantes ou ficas de galdinas na mão… Chiça, esta foi resvés Campo de Ourique!

O livro que faltava. Os falares marginais de Lisboa no seu melhor: o "malandrim" lisboeta, a gíria das novas tribos urbanas, os pregões tradicionais, o calão dos becos e ruelas… tudo reunido numa obra única e com muito humor, onde os heróis são todos de Lisboa: desde Ulisses ao cidadão anónimo, passando por Santo António, Marquês de Pombal, Luciano das Ratas ou pela garina do shopping.Se este livro fosse anunciado com os típicos pregões lisboetas, seria assim, certamente:

- Ó freguesa, mexa o cu que, pl'o preço de uma dúzia, leva mais três à borliú...
- Ó viva da Costa, ó pr'a eles a fazer caretas no jardim das tabuletas...
- Olha o rajá fresquinho! É pró bacano e pró bétinho!
- Olhó nogá! Quem perde é quem não está!
- Quentes e boas! Piadas e piadinhas prós meninos e prás meninas...

E porque Lisboa também tem falares e expressões muito suas, para que a paisagem portuguesa não fique a anhar, a freguesa e o freguês (que é como quem diz, o leitor) têm o Dicionário Alfacinha.
 
A minha opinião:
Concordo, era mesmo o livro que faltava! Um livro único!

Vou começar por falar na capa. Uma capa colorida e bastante original onde pode ver o Marquês de Pombal, o Santo António e uma garina a sobrevoarem a Torre de Belém.
Na contracapa, pode ler a sinopse e sentir um leve cheirinho do que vai  poder encontrar dentro deste divertissímo livro.

O livro é composto por quinze contos e divide-se em três partes. A primeira parte retrata uma Lisboa de tempos remotos e pode encontrar personagens como o Ulisses, o Martim Moniz, o Marquês de Pombal, o Santo António e a vidente Maria de Macedo. A segunda parte, mostra uma Lisboa do século XX, onde se pode encontrar o Luciano das Ratas, o Zé do Telhado e o Diogo Alves, a Sopeira, a Leiteira, a Madame Villaret e as manas Perliquitetes. Na terceira e última parte, vai ver uma Lisboa actual onde se pode cruzar com personagens como as vizinhas bisbilhoteiras, o Segurança e a Menina do Shopping, o Aluno do Lyceu Camões e o Cidadão Anónimo.

Uma leitura bastante divertida, onde tive a oportunidade de conhecer um pouco mais da gíria alfacinha, afinal também me considero um pouco alfacinha, são vinte e dois anos a trabalhar em Lisboa.
Senti-me viajar pelas diferentes zonas de Lisboa, desde o Castelo de São Jorge, passando pelo Martim Moniz, Bairro Alto, Saldanha onde se situa o Liceu Camões até à zona da Junqueira.

Obrigada aos Heróis á Moda de Lisboa pela excelente leitura!

quarta-feira

Fotos dos "Heróis à Moda de Lisboa"

Publicada por Ana Isabel Pedroso 0 comentários
Ontem o Museu da Cidade teve casa cheia!













sexta-feira

Desabafo de ansiedade: Heróis à Moda de Lisboaaaaaaaaaaaaaaaa

Publicada por Filipa 3 comentários
Uau.
Quem diria, não é?
Amanhã é o lançamento do livro que conta com um conto escrito por mim, e a sensação é fantástica. O livro já está à venda, já estive com ele na mão e... Uau.
Gostei muito de escrever o conto para o projecto. A primeira questão com que me deparei foi: Onde vou situar a história? Lisboa é imensa, tem tantos sítios interessantes, locais, ruas... Muitos dos maiores escritores portugueses iam para cafés (quer fosse para as suas tertúlias, quer fosse para escrever) e por isso estes ficaram famosos. Podia acontecer alguma coisa interessante aí. Porque não? Ou então, perto de um monumento com uma história curiosa. Eu queria um local que me dissesse algo, marcante, de grande importância para a personagem principal que ainda não tinha criado.
Mas encontrei o meu local perfeito e descobri uma personagem curiosa da qual gostei muito, e algumas outras que ainda me fazem rir só de pensar nelas.
Amanhã, no Museu da Cidade, às 15h, 16 autores felizes e ansiosos vão apresentar o livro "Heróis à Moda de Lisboa" e adoravam poder contar com a vossa presença ;)
Ficaram curiosos? Porque não aparecem....?
Até amanhã.

terça-feira

Samuel Pimenta apresenta "O Escolhido" na Cidade Invicta!

Publicada por Ana Isabel Pedroso 1 comentários


Samuel Pimenta tem o prazer de vos convidar para as apresentações do livro "O Escolhido" na Fnac do Norte Shopping  (dia 6 de Novembro de 2010, sábado, pelas 17h00)  e na Fnac de Sta. Catarina (dia 8 de Novembro de 2010, segunda-feira, pelas 18h00). 

Não faltes!!

"Uma Família Diferente" de Theresa Schedel

Publicada por Ana Isabel Pedroso 2 comentários


Título: Uma Família Diferente

Autora: Theresa Schedel

Páginas: 208

Editora:  Presença

Colecção: Grandes Narrativas


Sinopse:
Este mais recente romance de Theresa Shedel traz-nos de novo ao convívio da família Breça de Miranda - conhecida de todos os que leram A Morte de Uma Senhora-, aos seus afectos e desafectos, às suas singularidades, às suas personagens únicas e cativantes. E é uma personagem muito em particular - o Beto, um garoto de dez anos, sobrinho-neto da tia Margarida da Quinta do Capitão, que vem pôr em alvoroço todo o universo dos Breça de Miranda, desafiando as posições e atitudes mais conservadoras dos seus, ainda incrédulos, parentes. Na verdade, naquele famigerado Verão em que tudo aconteceu, ninguém queria acreditar que o filho da Clara e do Afonso tinha desaparecido, e a frase "o Beto fugiu", repetida, entre o pânico e a perplexidade, pelos vários Breça de Miranda, iria marcar tão-somente o início de toda uma série de acontecimentos absolutamente inéditos, situados algures entre o rocambolesco e o surrealista, que viriam a abalar aquela família. Mas o grande responsável foi o Verão, e mais precisamente o mês de Agosto, verdadeira caixa de Pandora sempre pronta a libertar sabe Deus que vaga alterosa de insuspeitadas paixões e arrebatamentos… Uma Família Diferente é um romance admirável que revela um delicioso e sofisticado sentido de humor.


A minha opinião:
Não consegui ter com este livro, o mesmo tipo de empatia que tive com o anterior, "A Morte de uma Senhora".
Depois de ler 74 páginas senti-me um pouco desiludida. Esperava muito mais da história, ainda mais sendo uma continuação da família Breça de Miranda.

Este livro é um retrato da nossa sociedade actual. As famílias monoparentais, o sucesso profissional das mulheres e os casamentos desfeitos são alguns dos ingredientes deste livro.

A trama inicia-se no dia um de Agosto, para muitos, mês de férias. Beto é sobinho-neto da Margarida Breça de Miranda, a actual Capitoa e devido a um imprevisto profissional da mãe, vai ter que ir de férias com tio Raul, irmão da mãe. Clara, a mãe de Beto não tem outra solução senão deixar Beto com o tio Raul. Antes de irem para a casa que Clara alugou, o tio Raul resolve fazer uma paragem num parque de campismo para visitar uma amiga.
As coisas correm tão bem ou tão mal, que Beto resolve fugir.
Já em Lisboa, Beto trava conhecimento com D.Berta no Jardim da Estrela. Esta vendo que ele está sozinho e não tem para onde ir, acolhe-o em casa.
Beto não é uma criança como as outras e por isso, os pais ao saberem do seu paradeiro, deixam-no ficar, ainda mais sabendo que são pessoas de confiança.

Apesar de ser uma história interessante, na minha opinião, faltam condimentos mais apurados para que o leitor possa saborear este livro como um prato principal e não como uma sobremesa.

(Obrigada trisousa pelo BookRing!)

segunda-feira

Orbias - O Demónio Branco

Publicada por Filipa 0 comentários
Orbias - O Demónio Branco


Sinopse:
As coisas mudaram desde a derradeira separação entre a Terra e Orbias há um ano atrás. Noemi é agora uma estagiária na redacção de uma revista e, Grand City. Leva uma vida solitária e mantém pouco contacto com Adam e Lorelei. Mas enquanto se esforça para esquecer todos os trágicos acontecimentos do passado, o inesperado acontece: os seus poderes de Omnisciência regressam e volta a transformar-se em Guerreira. Para piorar a situação, está constantemente a ver o rosto de Sebastian e a sentir o seu perfume. Será que afinal os mundos não foram definitivamente separados? Será possível o regresso a Orbias, para junto das outras Guerreiras? Na sua loucura obsessiva, Noemi convence-se a si própria de uma coisa: Sebastian está vivo! O Demónio Branco é o segundo volume da saga Orbias, a original história de fantasia que veio agitar o género em Portugal.

O que acontece quando te apaixonas por alguém que já não existe?

Noemi. Belladonna. Lorelei. Rouge. Lily-Violet. Riddel. Sebastian. Adam.

Estas são as personagens de Orbias – O Demónio Branco um ano após a derradeira sepação dos mundos. Mas elas voltam ao nosso imaginário mais maduros, sábios e sombrios. Bem-vindos à nova aventura de Noemi e das guerreiras.


Uma das coisas comentadas no lançamento do livro, em Setembro, foi a grande maturidade que se revela do primeiro para o segundo livro, tanto a nível da escrita como às personagens em si. Ainda assim, não estou certa de ter estado preparada para o impacto. E tal como muitos outros leitores, aprecei muito mais esta segunda dose de Orbias.

No ínicio, Noemi luta para se manter à tona da única maneira que conhece, tentando encontrar uma maneira de regressar a Orbias e, quem sabe? Uma maneira de reencontrar o eterno Sebastian. O rapaz orbiano rege toda a sua incessante procura, até ao esgotamento das suas forças.


No início, ela está sozinha, tal qual heroína destruída perseguindo os maus da fita, apenas em troca de informações. Ela não se quer envolver noutra luta ou missão das guerreiras; só quer poder regressar para procurar Sebastian. Mas, no meio das suas tentativas, Noemi vai encontrar o apoio quase incondicional de Adam, a recusa de Lorelei e umas quantas surpresas.


As minhas personagens favoritas são, no geral, donas de um particular sentido de humor e de instintos apurados. Estou a salientar Noemi, Belladonna e Sebastian, que se deixam guiar pelo que sentem em vez de seguir um plano. Às vezes, bem tentam, mas como em qualquer boa história surgem sempre percalços complicados e incontáveis imprevistos. Mas as personagens não desistem…


Recomendo vivamente este livro, que considero bastante diferente do anterior. Se gostaram de As Guerreiras da Deusa, vão adorar O Demónio Branco.


Cinco estrelas.

Critíca por Filipa Pedroso

sexta-feira

"A Morte de uma Senhora" de Theresa Schedel

Publicada por Ana Isabel Pedroso 0 comentários

Título: "A morte de uma senhora"

Autora: Theresa Schedel

Páginas: 165

Editora: Presença




Sinopse:
«A Morte de Uma Senhora», da mesma autora de «As Casas da Celeste», é um romance de grande qualidade, que alia à riqueza e intensidade dos quadros e das personagens retratados, o bom gosto de uma prosa extremamente elegante e requintada. É uma saga de uma família de tradições aristocráticas, dominada pela força do elemento feminino, que nos vai sendo revelada com um enorme sentido da complexidade e subtileza que envolvem a intimidade familiar, e uma sensibilidade profundamente lúcida e sagaz. Após dez longos anos de ausência, Margarida Breça de Miranda regressa ao seu país, à sua família e ao seu passado. Na Quinta do Capitão, com o seu vasto casarão branco, em plena Estremadura, Lúcia Breça de Miranda, aquela figura pequenina e frágil a quem todos chamam a Capitoa, e que sempre foi o pilar mais sólido de toda a família, aguarda a morte na grande cama de pau-santo, e salva as suas últimas energias para receber, ainda com vida, a filha há tanto esperada. O tempo, impiedoso, vai-se escoando, e há tanto para contar, revelações silenciadas, segredos guardados ao longo dos anos, expectativas, desejos, palavras inauditas que irão alterar para sempre a visão que margarida construiu do pequeno mundo dos Breça de Miranda. Uma obra notável, imbuída de sabedoria de vida, profundamente humana no sentido mais amplo da palavra.


Sobre a autora:
Theresa Schedel é um nome bem conhecido do público português. Inicialmente, foram as suas obras de cariz histórico: Os Painéis de São Vicente de Fora – As Chaves do Mistério, Os Painéis de São Vicente de Fora – Investigação ou Adivinhação?, ou ainda, Os Primeiros Tempos dos Portugueses na Índia – que a deram a conhecer aos leitores. Mais tarde, estreou-se na ficção com a narrativa As Casas da Celeste, editada pela Presença, a que se seguiram A Morte de Uma Senhora, O Mosteiro e a Coroa (Prémio Máxima de Literatura, 2006), e Uma Família Diferente. O seu ensaio Na Rota da Pimenta, publicado também pela Presença, suscitou críticas muito elogiosas e foi distinguido com o Prémio Máxima de Ensaio 2008.

A minha opinião:
Sendo um livro com apenas 165 páginas, o que para mim é um livro pequeno, não foi uma leitura fácil. Este livro exigiu uma leitura mais atenta.

Uma história muito bem construída, que retrata a vida das grandes famílias de antigamente. Os casamentos por conveniência, o poder do apelido, o trabalho doméstico nas grandes casas, os segredos de família e o poder que o patricarca, este caso, a  matriarca exercia sobre a família...

Quando estava a ler este livro, lembrei-me das conversas da minha mãe acerca da sua infância, numa casa enorme com muitos tios, primos, criadas e avós.
A certa altura a autora fala do hábito que havia das pessoas se aquecerem no Inverno na braseira e eu lembro-me de ser pequenita e de me aquecer numa braseira em casa da mãe da minha tia.

Lúcia de Albuquerque e Meneses, mais conhecida como a Capitoa encontra-se às portas da morte, mas antes que isso aconteça, pede a presença da filha, Margarida, que vive no estrangeiro.

O leitor vai ficar preso às páginas onde a Capitoa desvenda os segredos da família Breça de Miranda  à filha Margarida.

Recomendo a leitura deste pequeno grande livro!

(Obrigada trisousa pelo BookRing)

domingo

"O Vale das Bonecas" de Jacqueline Susann

Publicada por Ana Isabel Pedroso 3 comentários

Título: O Vale das Bonecas

Autora: Jacqueline Susann / Tradução: Fernanda Pinto Rodrigues

Páginas: 480

Editora: Europa-América


Sinopse:
Anne, Neely e Jennifer são três jovens fortes, independentes e com muita sede de viver. Mas quando os sonhos da vida se despenham contra os rochedos da desilusão , precisam de algumas «bonecas» -comprimidos calmantes, excitantes, ansiolíticos ou opiáceos – para sobreviver…

Anne: ingénua e doce, mas ansiosa por descobrir tudo o que a vida tem para oferecer…

Neely: um espírito rebelde. Órfã desde a mais tenra idade, só ambiciona uma coisa na vida – rios de dinheiro!

Jennifer: com um corpo de fazer parar o trânsito, este imã sexual só deseja uma coisa – casa e assentar.

Amor, traição, desejo e dependência são retratados em toda a sua crueza neste romance inesquecível, considerado um clássico da literatura norte-americana.

Sobre a autora:
Jacqueline Susann nasceu em Filadélfia em 1918 e faleceu em 1974.
Jacqueline Susann foi uma das primeiras mulheres – e certamente a primeira autora de literatura dita «comercial» – a ocupar os tops de vendas, e o seu sucesso e popularidade não a fizeram ganhar muitos amigos dentro do establishment literário.

Truman Capote disse num programa de televisão de grande audiência, quando lhe perguntaram o que achava de Jaqueline Susann: «Ela parece um camionista travesti.» Quando a editora de Susann exigiu um pedido de desculpas, Capote declarou, no mesmo programa, que queria pedir desculpas «a todos os camionistas que se possam ter ofendido com o meu comentário.»

E o premiadíssimo Gore Vidal disse acerca dela: «Esta mulher não escreve, ela bate à máquina!» Contudo, Jackie encarava estas críticas com bom humor: considerava-se uma contadora de histórias, preocupava-se em criar retratos realistas e em abordar temas novos e o afecto do público eram encorajamento suficiente.

"O Vale das Bonecas" é considerado o livro mais vendido de todos os tempos.

A minha opinião:
Não foi por acaso que este livro foi considerado como o "maior best-seller feminino de todos os tempos. Como ingredientes principais vamos encontrar a ambição, o poder, o amor e a traição. O glamour e a beleza, também são presenças constantes na vida das vedetas, como a dependência das drogas e do alcóol.

As amizades verdadeiras assim como o amor sincero de homem/mulher são sentimentos raros neste ambiente. As vedetas acham-se acima de qualquer pessoa, pois são elas que têm o poder e o dinheiro, daí serem pessoas egocêntricas e como tal, só pensam em si. Reagem mal à rejeição e quando isso acontece a fuga é ingerir algumas bonecas.

Conhecendo o meio, Jacqueline Susann, soube retratar muito bem o ambiente vivido no mundo espectáculo. A autora antes de se dedicar à escrita foi actriz de teatro e de televisão.

Apesar deste livro ter sido escrito na década de sessenta continua muito actual.

Neste livro podemos conhecer três raparigas simples,  que ambicionam alcançar o estrelado. Para que isso aconteça têm de percorrer um longo e espinhoso caminho.
Nas primeiras páginas, temos a oportunidade de conhecer Anne Welles, recém chegada de Lawrenceville, uma vila do interior.  Ao chegar a Nova Iorque procura uma agência de empregos, que a recomenda para uma firma de advogados "Bellamy & Bellows". 
Na pequena pensão onde Anne mora, está  Neely, uma jovem determinada a ser uma vedeta bem sucedida no mundo do espectáculo. Neely tem a sorte que ir substituir uma cantora num espectáculo da lenda viva, Helen Lawson na Broadway. O caminho de Neely até à fama vai ser fácil, o pior vai ser depois, quando já é considerada uma grande vedeta.
E por fim, a Jennifer North, uma mulher lindissima, onde sobresaí a sua altura, assim como os seus belos seios. Uma actriz que vai conhecer o sucesso na Europa, mais concretamente em França.
Estas três mulheres conseguem  manter uma amizade ao longo de três décadas. Muitas vezes elas vão ser a família que não têm.

Um livro a LER!!

(Biblioteca Municipal do Cacém)

sábado

"Hérois à Moda de Lisboa" já está em pré-lançamento

Publicada por Ana Isabel Pedroso 2 comentários

quinta-feira

"Uma Agulha no Palheiro" de J.D.Salinger

Publicada por Ana Isabel Pedroso 0 comentários

Uma Agulha no Palheiro

Título: Uma Agulha no Palheiro

Autor:  J. D. Salinger / Tradução: João Palma Ferreira

Páginas: 240

Editora: Livros do Brasil

Colecção: Dois Mundos

Sinopse:
O livro conta as aventuras de Holden Caulfield, um rapaz de 16 anos, que ao ter de deixar o colégio interno que frequenta, mas receoso de enfrentar a fúria dos pais, decide passar uns dias em Nova Iorque até começarem as férias de Natal e poder voltar para casa.

Confuso, inseguro, incapaz de reconhecer a sua própria sensibilidade e fragilidade, Holden percorre nesses dias um intrincado labirinto de emoções e experiências, encontrando as mais diversas pessoas, como taxistas, freiras e prostitutas, e envolvendo-se em situações para as quais não está preparado.

"Uma Agulha no Palheiro" é contado na primeira pessoa. Ao fazer esta opção, Salinger introduz na literatura americana os recursos da oralidade, com a linguagem espontânea, o calão, os palavrões, o bordão das repetições frequentes, o humor inconsciente, procedendo a uma verdadeira revolução literária, que tornou o livro num clássico da literatura americana do pós-guerra.

Publicada pela primeira vez em 1951, Uma Agulha no Palheiro é a mais marcante obra de J. D. Salinger, e uma das mais controversas da história da literatura norte-americana após a II Guerra Mundial. Foi constantemente censurada e banida das escolas, livrarias e bibliotecas dos EUA devido ao seu conteúdo profano, à abordagem que faz do sexo e à forma como rejeita alguns dos ideais americanos.


Críticas de imprensa:
"Eu vejo Holden, a personagem principal, como um típico adolescente, um pouco mais perspicaz que a maioria dos da sua idade. Vejo-o como alguém que tenta, com inocência, preservar a integridade do mundo, até que se apercebe que isso é impossível. Assim, só lhe resta procurar a felicidade em lugares que nunca esperou poder fazê-lo para evitar a sua própria insanidade." Book Reviews

"Ficamos não só cativados pelo ritmo vivo do discurso de Holden, como pela forma como Salinger desenvolve e cria, num acto de mestria literária, o verdadeiro herói americano." Chicago Tribune Books

A minha opinião:
Confesso que não conhecia este livro e senti uma certa curiosidade em lê-lo depois de saber que os americanos queriam bani-lo das suas bibliotecas públicas e privadas.

Perante a polémica, pensei que seria um livro que tivesse um conteúdo menos próprio. Não achei!

"Uma Agulha no Palheiro" dá-nos a conhecer a história de Holden Caulfield, um adolescente de dezasseis anos. Este adolescente era um pouco bizarro, pois achava tudo muito chato e sempre com vontade de vomitar nas situações mais tolas.
O estado de espírito de Holden durante todo o livro é instável, ora se sente muito bem e feliz, para logo a seguir, estar farto de tudo e de todos.

Como todos os jovens naquele tempo, também ele gostavava de ler, mas achava tudo aborrecido. Por exemplo, leu "Servidão Humana" de Somerset Maugham e até gostou e achou que era um belo livro, mas que não gostava de ser amigo do autor e não sabe bem explicar porquê. Simplesmente achava que não seria o género de tipo com quem gostasse de conversar, preferia antes o Thomas Hardy.

Os outros intervenientes da história, saliento o Mr.Spencer e o Mr.Antolini, ambos foram professores de Holden e nutrem por ele um carinho muito grande e encontram-se preocupados com o seu futuro.  Holden foi expulso de cinco escolas e todas elas conceituadas.

( Biblioteca Municipal do Cacém)

quarta-feira

A capa completa do livro "Heróis à Moda de Lisboa"

Publicada por Ana Isabel Pedroso 1 comentários

Título: "Heróis à Moda de Lisboa"
Autor: vários
Editora: Lugar da Palavra
Páginas: 224

Esta é a capa completa do livro "Heróis à  Moda de Lisboa".

Na contracapa podemos ler o nome dos 16 Hérois (autores) deste livro:
- Ana Saragoça
- Catarina Ponte
- Fernanda Carvalho
- Filipa Pedroso
- Filipa Ramalhete
- Guilherme Malaquias
- João Castelo Cravo
- João Pedro Teixeira
- Liliana Guerreiro
- Maria Eugénia Ponte
- Marco António
- Patrícia Ponte
- Pedro Tavares
- Rita Capristano
- Rita Costa
- Ruben de Almeida


E também, saber um pouco daquilo que vamos ler ao longo de 224 páginas:

"O livro que faltava. Os falares marginais de Lisboa no seu melhor: o “malandrim” lisboeta, a gíria das novas tribos urbanas, os pregões tradicionais, o calão dos becos e ruelas… tudo reunido numa obra única e com muito humor, onde os heróis são todos de Lisboa: desde Ulisses ao cidadão anónimo, passando por Santo António, Marquês de Pombal, Luciano das Ratas ou pela garina do shopping.

Se este livro fosse anunciado com os típicos pregões lisboetas, seria assim, certamente:
- Ó freguesa, mexa o cu que, pl’o preço de uma dúzia, leva mais três à borliú...

- Ó viva da Costa, ó pr’a eles a fazer caretas no jardim das tabuletas...

- Olha o rajá fresquinho! É pró bacano e pró bétinho!

- Olhó nogá! Quem perde é quem não está!

- Quentes e boas! Piadas e piadinhas prós meninos e prás meninas...

E porque Lisboa também tem falares e expressões muito suas, para que a paisagem portuguesa não fique a anhar, a freguesa e o freguês (que é como quem diz, o leitor) têm o Dicionário Alfacinha."

sexta-feira

"Para Sempre, Talvez" de Cecilia Ahern

Publicada por Ana Isabel Pedroso 4 comentários

Título: Para Sempre, Talvez


Autora: Cecelia Ahern / Tradução: Maria de Almeida

Páginas: 364

Editora: Editorial Presença

Colecção: Champanhe e Morangos


Sinopse:
UM SUCESSO FENOMENAL NA IRLANDA E REINO UNIDO
• Para Sempre, Talvez alcançou o Nº 1 da lista de livros mais vendidos da Irlanda e Reino Unido.
• P.S. Eu Amo-te irá ser adaptado para cinema, com realização a cargo de Richard Degravenes, que já adaptou As Pontes de Madisson County.
• Foi preparada uma mega campanha de televisão na Irlanda para divulgar este livro.
• 17.000 cópias vendidas de Para Sempre, Talvez, em apenas uma semana, no Reino Unido.

Cecelia Ahern, filha do primeiro ministro irlandês conquistou a popularidade e o sucesso de vendas no seu país natal e tornou-se conhecida em mais de 40 outros países com o seu romance estreia P.S. Eu Amo-te. Na esteira do primeiro livro, Para Sempre, Talvez promete revelar-se um novo bestseller. Rosie e Alex vivem em Dublin e conhecem-se desde a escola primária. Sempre se mantiveram amigos e passaram juntos por muitas experiências desde a gravidez, ao casamento e divórcio. Um dia a distância separa-os: Alex parte com os pais para os Estados Unidos e Rosie sente-se muito sozinha. Consciente de que iria encontrar a felicidade junto de Alex, planeia ir ter com ele a Boston mas o destino força-a a manter-se na Irlanda. Uma série de malentendidos e azares deixa-os afastados e quando finalmente se reencontram não sabem o que fazer com a atracção que esteve sempre presente. Contado inteiramente através de correspondência escrita desde emails a cartas é um romance subtil e encantador sobre as nuances da amizade e amor.


Críticas de imprensa:
«Divertido, inteligente e compulsivamente divertido, vale a pena ler este livro.»  COSMOPOLITAN

«Os segundos romances são geralmente mais pobres mas Para Sempre, Talvez confirma as expectativas de bestseller.»  Irish Independent

«O trabalho de Ahern é surpreendentemente bom.»  Heat

A minha opinião:
Este foi o primeiro livro que li desta autora e confesso que gostei imenso. A princípio fiquei desconfiada, ler uma história escrita em sms, postai, e-mails e mensagens instantâneas, não me parecia lá muito apelativo. Errado! Tornou-se uma leitura muito agradável!

"Para Sempre, Talvez" conta-nos a história de Rosie e Alex. Rosie e Alex são os melhores amigos um do outro. Conheceram-se quando ambos tinham 5 anos de idade.

 O livro começa com um convite de aniversário da Rosie para o Alex. A partir daqui vamos acompanhar a vida destas duas crianças, dos seus familiares e amigos até à idade adulta e bem adulta!

Neste livro temos oportunidade de conhecer personagens muito interessantes. Não vou entrar em pormenores acerca dos protagonistas, mas sim, das personagens secundárias mais engraçadas!

Começo por falar na  Profª Casey, a professora primária, mais conhecida como a Profª Pencuda Mau Hálito Casey. De vez em quando a Profª Casey escreve uns recadinhos aos pais de Rosie e Alex, a falar no comportamento de ambos, até que certa altura vê-se obrigada a separá-los.
Quase no final do livro, a Profª  Casey vai  surpreender-nos, tornando-se uma ...
A seguir, aparece Brian Queixinhas. Ele vai entrar na vida de Rosie de uma forma um pouco estranha...
Por fim, temos a Ruby. Rosie conhece a Ruby quando vai trabalhar para o Andy Lascivo, numa fábrica de cliques. Esta vai revelar-se uma grande amiga, principalmente para as farras.

Gostei muito de acompanhar a vida da Rosie e do Alex, ambos conseguem manter uma grande amizade, apesar da distância física que se encontram um do outro. A vida de cada um segue uma direcção completamente oposta e vão viver experiências muito semelhantes, mas em alturas diferentes.

Este livro pode ser um pequeno hino à AMIZADE, no seu verdadeiro sentido da palavra.

Acho que nos dias que correm, a amizade é um sentimento cada vez mais raro. O corre corre das pessoas faz com  que não disponham de tanto tempo livre para cuidar e fomentar novas amizades.

(Obrigada vandinha!)

terça-feira

Novidades sobre os "Heróis à Moda de Lisboa"

Publicada por Ana Isabel Pedroso 2 comentários


O lançamento de "Heróis à Moda de Lisboa" está marcado para dia 6 de Novembro, no Museu da Cidade de Lisboa, pelas 15 horas.


Outras datas, outros locais com os "Heróis à Moda de Lisboa":

07-11-2010 Apresentação - Museu João Mário - Alenquer (às 17 horas)

11-11-2010 Apresentação Bulhosa de Entrecampos (às 18H30M)

12-11-2010 Apresentação Bulhosa de Oeiras (às 21H30M)

19-11-2010 FNAC - Shopping de Cascais - 21H30M

27-11-2010 Apresentação na Biblioteca Municipal da Amadora

E conto com a vossa presença!!!




sábado

O livro "Heróis à Moda de Lisboa" já tem capa!

Publicada por Ana Isabel Pedroso 0 comentários

Tenho o prazer de vos apresentar a capa do livro "Heróis à Moda de Lisboa", cujo o lançamento está previsto para o dia 6 de Novembro.

quinta-feira

"Amor à Primeira Vista" de Catherine Anderson

Publicada por Ana Isabel Pedroso 3 comentários


Título: Amor a Primeira Vista

Autora: Catherine Anderson / Tradutor: Francisco Freitas e Silva

Páginas: 352

Editora: Ulisseia



Sinopse:
Poucos autores escrevem histórias tão comoventes e de inesgotável ternura como Catherine Anderson. As suas personagens partilham com o leitor a esperança de encontrar o amor perfeito de uma vida inteira.

Todas as leitoras que acompanharam Rafe Kendrik e Maggie Stanley em Uma Luz na Escuridão podem agora revê-los numa nova e apaixonante aventura protagonizada por Ryan, irmão de Rafe a quem este terá de ajudar a ultrapassar um momento difícil. Um acidente sofrido há anos num rodeo deixou Bethany Coulter presa a uma cadeira de rodas. Desde então conheceu tanto as traições como os desgostos de amor, e por isso jurou nunca mais entregar o seu coração a um homem. Mas qualquer coisa em Ryan Kendrick a fez de súbito acreditar que talvez todos esses obstáculos pudessem ser ultrapassados. Ambos partilham a paixão pelos cavalos e têm um imenso sentido de humor. Mas a vida não é absolutamente perfeita. "
 
 
A minha opinião:
Se no primeiro livro já estava rendida a esta autora, então com este, tornei-me FÃ!

Uma escrita muito fluída e sem qualquer tipo de tabu.

As primeira páginas são delirantes, gargalhada atrás de gargalhada. Já tinha provado um pouco do sentido de humor de Catherine Anderson, mas neste livro, a autora revelou ainda mais o seu lado divertido. É um sentido de humor leve e genuíno, onde tudo se encaixa na perfeição!

Gostaria de salientar as descrições que autora faz da linguagem corporal, quase que dou por mim a ter o mesmo tipo de reacções que as personagens, ou seja, a ter um olhar mais sério, a sorrir de uma forma mais envergonhada ou até mesmo a sentir uma mão a fechar perante uma contrariedade.

Catherine Anderson, desta vez, conta a história de um amor à primeira vista. Quando Ryan põe os olhos em cima de Bethany pela primeira vez, sente que aquela é tal, a que ele procurou e nunca encontrou...até agora. Apesar de Bethany ser uma jovem paraplégica, Ryan vai tornar possível o que é impossivel.

No meu dicionário não há a expressão NÃO CONSIGO, porque tudo se CONSEGUE, basta querermos!

(Obrigada Sofia por mais um excelente empréstimo)

terça-feira

Lançamento de "Orbias - O Demónio Branco", uma tarde muito divertida com Fábio Ventura

Publicada por Filipa 5 comentários
Olá :) Eu sou a Filipa, tenho 16 anos e estou no 12º ano. Sou a outra metade (recente, hehe) do blog.

Quem passou ontem pela Fnac do Colombo e não ficou, não faz ideia do que perdeu. Numa sessão de lançamento muito divertida, a Sofia Teixeira (blog Bran Morrighan) apresentou o novo livro de Fábio Ventura, o aguardado - pelo menos por mim e por todas as restantes leitoras fans de Noemi e Sebastian - sucessor de Orbias, As Guerreiras da Deusa.

Como o autor salientou ontem, a história de Orbias é a história de Noemi. É através dela que viajamos pelos dois mundos e ficamos a conhecer as restantes personagens.

Eu gostei muito da apresentação do livro. Li o primeiro e estava ansiosa por poder ter nas mãos o segundo, para finalmente entender o que se passa no epílogo do primeiro Orbias... Deu-me muita vontade de ler O Demónio Branco (que já estou a ler, hehe. Para minha grande satisfação). Os presentes puderam fazer MUITAAAAAAAAAAAAS perguntas, e o Fábio respondeu a todas com um sorriso :D E nem a editora se escapou a algumas perguntas muito interessantes, respeitantes à parte editorial e ao 'trabalho de bastidores' por detrás de um livro. É uma maneira interessante de conduzir uma apresentação, e certamente diferente das últimas a que tenho assistido, porque nos deu a possibilidade de entrarmos um bocadinho mais na história e no mundo de Orbias, ao tentar perceber como ele surgiu, como se relacionam as personagens com o autor e o que mais estará para vir...

Para já, temos o novo livro, sobre o qual planeio escrever quando terminar. Mas posso já dizer que estou certamente agarrada a esta nova aventura.

O vídeo, os contos sobre as Guerreiras e as restantes obras de arte sobre o mundo de Orbias podem ser encontradas na página do facebook do livro e no blog orbiasasguerreirasdadeusa.blogspot.com .
E aqui fica um cheirinho do outro talento do autor:


Beijinhos,
Filipa

segunda-feira

"O Escolhido" - Book Trailer

Publicada por Ana Isabel Pedroso 0 comentários
"Heros, O Escolhido" de Samuel Pimenta

"Romance original que mescla fantasia, factos da História de Portugal com lendas e mitos do Norte da Europa, mitos antigos e segredos da ciência oculta, sob a pena de um jovem da cidade guardiã do Tejo, Santarém." Criadas pela lendária Rainha-Deusa, as Seis Chaves de Cristal possuem um poder avas..."




sábado

"Os Heróis à Moda de Lisboa" estão quase a chegar!

Publicada por Ana Isabel Pedroso 1 comentários
"Heróis à Moda de Lisboa" faz parte de um projecto que já conta com dois livros, "Heróis à Moda do Porto" e "Heróis à Moda do Alentejo", que consiste numa reunião de contos nos quais a acção se desenrola nas respectivas regiões. Estas pequenas histórias são escritas de acordo com os vocábulos e expressões típicas locais.
O livro "Heróis à Moda de Lisboa" está a avançar a passos largos. No sábado passado, dia 18 de Setembro, Maria Eugénia Ponte, a coordenadora do projecto, promoveu um encontro com os autores, para que todos se pudessem conhecer. Infelizmente, nem todos tiveram a possibilidade de aparecer, por vários motivos.
Também estive presente neste encontro porque a minha filhota é uma das autoras de um dos contos. A minha filhota, a Filipa Pedroso desde os oito anos de idade que diz que quer ser escritora. Aos dezasseis anos fazer parte deste projecto é para ela, a realização de um sonho.
Eu e o pai, assim como a professora Adelaide fomos os primeiros a incentivá-la a escrever.

Para estarem a par das novidades, podem seguir aqui: http://heroisamodadelisboa.blogspot.com/




Da esquerda para a direita:
Rita Capristano, Pedro Tavares, João Brito (o editor),  Filipa Pedroso, Gena (Mª Eugénia Ponte), Fernanda Carvalho, Liliana Guerreiro, Marco António, Rita Costa, Patrícia Ponte, Guilherme Malaquias

quarta-feira

Amanhã...

Publicada por Ana Isabel Pedroso 3 comentários
Faço anos...
Pois é, mais um anito...
 

Livros, o meu vício Copyright © 2010 Designed by Ipietoon Blogger Template Sponsored by Online Shop Vector by Artshare